terça-feira, 29 de março de 2011

ANIVERSÁRIO DO TEATRO ALBERTO MARANHÃO






A história do teatro potiguar teve início em 1841 com vários teatros amadores, que encenavam suas peças em barracões de palha, os quais sofreram vários incêndios. Os amantes do teatro da época fundaram a sociedade Theatral Apóllo Riograndense e alugaram o galpão que já funcionava como teatro na cidade para melhor desenvolverem suas atividades.
Logo em seguida, por meio da lei promulgada pelo então Presidente da Província João Capistrano, nasce o primeiro teatro da cidade, o Teatro Santa Cruz, tendo sido concedida a edificação do mesmo ao comerciante João Chrysostomo. Nesse teatro ocorreram grandes manifestações cívicas e patrióticas, como também a fundação da Sociedade Libertadora Norte-Riograndense. A partir de 1888 o teatro vinha sofrendo danos em sua estrutura, no que culminou com o seu desabamento.
Com a perda do Teatro Santa Cruz houve a necessidade de se fazer os teatros improvisados em função da ausência de diversões, o que levou a sociedade teatral ao improviso. Esses teatros localizavam-se na Ribeira e Cidade Alta, os dois bairros que compunham a cidade. Devido às péssimas condições dos locais para as encenações e o precário noticiário dos jornais da época, veio acarretar o seu fim.
A partir de então, iniciava-se o movimento pró teatro, que tinha como objetivo a construção de um teatro em Natal, pois a capital não dispunha de uma casa própria para a realização de seus espetáculos.
Em 1898 o governador Alberto Maranhão, autoriza a construção de um teatro na campina da Ribeira, que depois se chamou praça da república, passando a ser denominada Jardim Pública e posteriormente Praça Augusto Severo, em homenagem ao aeronauta potiguar falecido em Paris, a 12 daquele mês.
No ano de 1904, acontece a inauguração do Theatro Carlos Gomes, tendo recebido esse nome em homenagem ao músico e compositor paulista que teve grande influência no Rio Grande do Norte, em virtude de estar à frente do Guarani, que era uma grande escola de música que determinava todos os estilos musicais a ser tocados na época. O próprio havia falecido há pouco tempo (1896), considerado alvo de consagração nacional e reconhecimento na Europa.
 Após a morte de Alberto Maranhão em 1944, o teatro passa a ter seu nome por meio de uma lei aprovada pelos vereadores na câmara municipal de Natal e sancionada pelo prefeito da época Djalma Maranhão. A frente desta luta estava o vereador Luiz de Barros, presidente da Câmara Municipal de Natal, Meira Pires diretor do TCG e o prefeito Djalma Maranhão, onde juntos lutavam por essa conquista de transição do nome Carlos Gomes para Alberto Maranhão, por ter sido ele o idealizador e executor desse espaço de memória e patrimônio cultural da cidade.
Sexta-feira, 25 de março de 2011, a atual governadora do Estado Rosalba Ciarline, a diretora do Teatro Alberto Maranhão Dione Caldas e a diretora da Fundação José Augusto, Isaura Rosado, possibilitam a realização do aniversário dos 107 anos do teatro em grande estilo com a participação do Coral Harmus, Companhia de Dança do TAM, Saxofonista Eugênio Graça, todos os diretores que já passaram pela administração do TAM e claro, a sociedade natalense.


Dione Caldas, Rosalba Ciarline e Isaura Rosado 

 Governadora Rosalba Ciarline abre a solenidade

 Dione Caldas e Rosalba Ciarline

Bailarina da CDTAM

Saxofonista Eugênio Graça



Fotos de Anchieta Xavier


NASCE A FEDERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE CULTURA DO RN - FINSC

    Dr. Diógenes da Cunha Lima
                                                                     Presidente da FINSC


        Em Assembléia geral especial, realizada no dia 25 de março de 2011, às 19 horas, na sala Onofre Lopes da Academia Norte-Rio-Grandense de Letras, nesta cidade, com expressivo comparecimento de representantes de diversas entidades culturais do nosso Estado, foi fundada a FEDERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE CULTURA DO RIO GRANDE DO NORTE.
        Na ocasião foi aprovado o seu Estatuto Social e escolhidos os integrantes da Diretoria Executiva, Conselho Fiscal e Comissão de Ética e Disciplina provisórios, os quais deverão cuidar do registro da nova Entidade.

          Os nomes escolhidos para o comando da FINSC são:

  • Diógenes da Cunha Lima - Presidente
  • Jurandyr Navarro da Costa - Vice-Presidente
  • Carlos Rogberto de Miranda Gomes - Primeiro Secretário
  • Jair Figueiredo - Segundo Secretário
  • Pedro Simões Neto - Diretor de Eventos e Promoções 
  • Luciano Alves da Nóbrega - Diretor de Revista
  • Ormuz Barbalho Simonetti - Diretor Financeiro
  • Conselho Fiscal: Enélio Petrovich, Gley Nogueira Gurjão, Elder Heronildes da Silva e Zelma Furtado.
  • Comissão de Ética e Disciplina: Anna Maria Cascudo Barreto, Doriélio Barreto da Costa e Eduardo Gosson.
          A nova Instituição Cultural adotou como lema a expressão "OMNES UNUM SINT'
(UNIDOS SEREMOS UM).




Ormuz Barbalho Simonetti e Jansen Leiros assinam a ata de fundação.

Dra. Ana Maria Cascudo e amigos fundadores da FINSC

Dr. Carlos Gomes e a escritora Vulmaci Viana representante da Academia Apodiense de Letras

Jurandyr Navarro, Diógenes da Cunha Lima e Vilmaci Viana

Pedro Simões e colegas fundadores da FINSC

Fonte: www.vivicultura.blogspot.com

sexta-feira, 25 de março de 2011

1º SEMINÁRIO DE POETAS POTIGUARES: A ARTE DE PENSAR A POESIA LIVRE

A Sociedade dos Poetas Vivos e Afins do Rio Grande do Norte teve sua fundação no dia 12 de junho de 1997, na sede do Sindicato dos Vigilantes, no Baldo, nesta cidade do Natal, com o objetivo de difundir a poesia em locais de difícil acesso à cultura, através de mecanismos de incentivo à livre manifestação artística e produção cultural. É uma entidade autônoma, sem fins lucrativos, tendo como único meio de arrecadação financeira o pagamento da contribuição dos seus membros/associados, os quais nem sempre dispõem de verbas para contribuir e, dessa forma construir fundos para financiar e garantir projetos como: saraus, cursos, oficinas, seminários, palestras, ciclos de debates relacionados à cultura, publicações, espetáculos, shows beneficentes, que contribuirão para o envolvimento de todos os seguimentos sociais.

Contudo, através de parcerias, a SPVA/RN mantém-se ativa culturalmente em nossa sociedade procurando cumprir a risca seu estatuto através de eventos como o que ocorreu nos dias 17 e 18 de março de 2011 com o apoio do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes – CCHLA/UFRN, Academia de Trovas do Rio Grande do Norte, Associação dos Poetas Potiguares, Secretaria de Estado de Educação, Casa do Cordel, Sociedade Brasileira de Dentistas Escritores e SEBRAE. Falo do 1º SEMINÁRIO DE POETAS POTIGUARES com o tema A ARTE DE PENSAR A POESIA LIVRE, onde grandes nomes deram sua contribuição com a seguinte programação:

Dia 17/03/2011

  • Palestra: A ÊNESE DA POESIA LIVRE, com o escritor, poeta pesquisador, apresentador e professor do Departamento de Letras da UFRN, Tarcísio Gurgel dos Santos Tarcísio Gurgel.
  • Mesa Redonda com o Tema: A POESIA LIVRE E SUA RELAÇÃO COM O CORDEL, com o cordelista e professor José Acaci; o advogado e Presidente da Academia de Trovas do RN, José Lucas de Barros; o advogado e Presidente da UEB, Eduardo Gosson, tendo como mediador da mesa o economista e poeta José Ivan Pinheiro.
  • Palestra Interativa com o Tema: O PAPEL DA BIBLIOTECA NA ARTE DO FAZER POÉTICO, com a coordenadora do comitê Proler/RN e técnica do Programa de Bibliotecas da SEEC/RN, Professora Erileide Maria Oliveira Rocha.
  • OFICINA DE ARTES: com a artista plástica e professora do Deart/UFRN, Socorro Evangelista.

Dia 18/03/2011

  • Momento Cultural: Apresentação de dupla de repentistas.
  • Mesa Redonda com o Tema: A POESIA POPULAR HOJE E SUAS PERSPECTIVAS  PARA O FUTURO, com os professores Marcos Medeiros, Kildemir Dantas e Américo Pita, tendo como mediador da mesa José Lucas de Barros.
  • Palestra Interativa com o Tema: JUVENTUDE E POESIA, USANDO O PODER DA INTELIGÊNCIA, com o Odontólogo e escritor Rubens Barros.
  • Mesa Redonda com o Tema: O PAPEL DA MULHER NA ARTE DE PENSAR A POESIA LIVRE, com a socióloga e escritora Rizolete Fernandes e a professora e Presidente da Academia de Letras Feminina do RN, Zelma Furtado, tendo como mediadora da mesa a Cônsul Poetas Del Mundo Deth Haak.
  • SARAU POÉTICO DE ENCERRAMENTO, com a participação do compositor Mário Lúcio, da cantora Nubilene e todos os participantes do evento.
         A SPVA nos ofertou o primeiro de muitos SEMINÁRIOS DE POETAS POTIGUARES que acontecerão na nossa cidade e em todas as demais do nosso Estado, provando que existem pessoas envolvidas e engajadas com a cultura poética, seja ela com rima, métrica ou livre, levando a todos a poesia existente na essência de tudo que vemos e tocamos.

Ozany Gomes


[...] o poeta se aproxima da criança,
que vê o mundo com olhos virgens e que,
por quase nada saber, está aberto ao mistério das coisas.
Para a criança – como para o poeta –
viver é uma incessante descoberta da vida.

                                                                         Ferreira Gullar
                       

Presidentes da SPVA
Geralda Efigênia e Maurício Garcia

Dr. Rubens Barros - Presidente da Sociedade Brasileira de Dentistas Escritores/SBDE
Dr. Eduardo Gosson - Presidente da União Brasileira de Escritores – UBE/RN
Sávio HacracktJornalista 
Professor Dr. Tarcisio Gurgel
Geralda Efigênia - Presidente da SPVA/RN
Lúcia HelenaEscritora, Historiadora, Representante da Academia Feminina de Letras/RN
Dr. Pedro Simões - Presidente Academia Cearemirinense de Letras
Dr. Carlos Miranda - Presidente do Instituto Histórico e Geografico do RN



Geralda Eigênia, Eduardo Gosson, Pedro Simões e Deth Haak

Zelma Furtado, Vilmaci Viana e Ozany Gomes

Tarcísio Gurgel

Dr. Rubens Barros

Zelma Furtado, Rizolete Fernandes e Deth Haak

Querida poetisa Rosa Regis ao lado do poeta Pedro Grilo

Carlos, José Acaci e Geralda Efigênia

Pedro Grilo e Deth Haak

Poetas Marcos e Sharon

Professora Socorro Evangelista

Dr. José Lucas de Barros e dupla de repentistas

Mário Lúcio e Nubilene

Alguns participantes do evento

quarta-feira, 23 de março de 2011

CONSELHOS PRA JUVENTUDE



“A humanização é a salvação da humanidade”, foram as palavras proferidas por Edgar Morin para um numeroso público de acadêmicos em uma palestra realizada em 2010, na UFRN, Campos de Natal.  Estas palavras, fruto de uma análise aguçada da real situação em que vivemos, fizeram-me refletir o quanto é importante para educadores e artistas engajarem-se nessa perspectiva humanizadora, como o saudoso Paulo Freire mencionava em suas teorias,  pois é através da educação e da arte em todas as suas vertentes, que poderá haver uma sensibilização nesse sentido.
Quando li o livro “CONSELHOS PRA JUVENTUDE”, do professor e poeta José Acaci, vi que o caminho a ser trilhado em busca da conscientização dos jovens nas questões ligadas a humanização da sociedade estava sendo ladrilhado, não por pedras de brilhantes, mas por palavras poéticas cheias de bons conselhos, que chegarão com muito carinho aos corações de todos.
Segundo o Poeta Carlos Magno, o que pode ser visto nos poemas de Acaci são “palavras se plasmando num entrelace de amor a cultura popular”.  Ressalto que, além do seu imenso amor a cultura, ele também estabelece um compromisso precioso com a educação dos jovens, que como bem disse o Jornalista e Professor Iran Marrocos, “[...]são o presente e a mola que ampara e amacia os passos do futuro”.
E como diz os versos: “Não deixe pro fim da vida aquela palavra amiga”, não poderia deixar de falar que o mais novo filho literário, “CONSELHOS PRA JUNVENTUDE”, do grande poeta e educador José Acaci  é uma obra de inestimável valor didático para todos os professores, que assim como ele, preocupam-se em ajudar na disseminação da cultura, dos bons valores e principalmente, da humanização.

Ozany Gomes





LANÇAMENTO DO NOVO FILHO LITERÁRIO DE 
JOSÉ ACACI

O lançamento aconteceu no magnífico Teatro Alberto Maranhão no dia 14 de março, Dia da Poesia. Amigos poetas, músicos, escritores e apreciadores da cultura prestigiaram o amigo José Acaci e, comemoraram juntos, o Dia da Poesia e o nascimento de mais uma literatura potiguar.




Carlos, Carlos Zens, Acaci e Ozany Gomes
 Acaci e Rizolete Fernandes


Acaci e José Luiz
Zé Martins declamando sua poesia.
Acaci, Carlos Zens e Ozany 
Acaci declamando sua poesia.
 Deth Haak a Poetisa dos Ventos.






Poetas Américo Pita e José Saldanha

Poeta José Saldanha







































                 
Poetisa Vivi  Viana e Poeta Roberto Noir